Início | Artigos | Como se classifica a Insuficiência Cardíaca?

Como se classifica a Insuficiência Cardíaca?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A insuficiência cardíaca (IC) é uma condição de saúde grave, que ocorre quando o coração tem dificuldade em bombear o sangue para todos os órgãos do corpo de forma adequada. A insuficiência cardíaca, além de se dividir em diferentes tipos, pode distinguir-se em diferentes estádios – segundo o desenvolvimento e progressão da doença – e classes – conforme a tolerância ao exercício físico e aos sintomas.

A IC pode ser classificada de acordo com os estádios de desenvolvimento e progressão da doença, definidos pela American College of Cardiology Foundation/American Heart Association (ACC/AHA)1:

Estádios

___________

A

Em risco de desenvolver insuficiência cardíaca, mas sem doença cardiovascular estrutural ou sintomas de insuficiência cardíaca.

B

Doença cardiovascular estrutural presente, mas sem sintomas de insuficiência cardíaca.

C

Doença cardiovascular estrutural e com insuficiência cardíaca sintomática (atual ou prévia).

D

Doença cardiovascular estrutural e com insuficiência cardíaca sintomática (atual ou prévia).

Os estádios da IC definidos pela ACC/AHA reconhecem que tanto os fatores de risco quanto as alterações da estrutura cardíaca estão associados à IC. Estes estádios são progressivos e irreversíveis. Isto é, depois de um doente avançar para o estádio seguinte não se verifica uma regressão para o anterior. 1

A New York Heart Association (NYHA) classifica a IC em quatro classes, de acordo com o grau de tolerância ao exercício físico e a gravidade dos sintomas manifestados2:

Classe

Capacidade funcional

I

Sem limitação de atividade física. A atividade física comum não causa fadiga indevida, palpitações, dispneia (falta de ar).

II

Ligeiras limitações da atividade física. Confortável em repouso, mas a atividade física normal provoca fadiga, palpitações, dispneia (falta de ar).

III

Limitações marcadas da atividade física. Confortável em repouso, mas a atividade física inferior ao normal provoca fadiga, palpitações, dispneia (falta de ar).

IV

Incapacidade de realizar qualquer atividade física sem sentir desconforto. Os sintomas podem estar presentes em repouso e aumentar com a realização de qualquer atividade física.

Classe

I

Capacidade funcional

Sem limitação de atividade física. A atividade física comum não causa fadiga indevida, palpitações, dispneia (falta de ar).

Classe

II

Capacidade funcional

Ligeiras limitações da atividade física. Confortável em repouso, mas a atividade física normal provoca fadiga, palpitações, dispneia (falta de ar).

Classe

III

Capacidade funcional

Limitações marcadas da atividade física. Confortável em repouso, mas a atividade física inferior ao normal provoca fadiga, palpitações, dispneia (falta de ar).

Classe

IV

Capacidade funcional

Incapacidade de realizar qualquer atividade física sem sentir desconforto. Os sintomas podem estar presentes em repouso e aumentar com a realização de qualquer atividade física.

Esta classificação mede a gravidade dos sintomas nos que têm doença cardíaca estrutural, principalmente dos estádios C e D. Trata-se de uma avaliação subjetiva do médico, que pode mudar frequentemente em curtos períodos de tempo, porém, não deixa de ser um preditor de prognóstico2.

Referências

1 – Yancy CW et al. ACCF/AHA Guideline for the management of heart failure. 2013;128(16):e240–e327.

2 – Guidelines da European Society of Cardiology (ESC) para o Diagnóstico e Tratamento da Insuficiência Cardíaca Aguda e Crónica. European Heart Journal 2016;37:2129-2200 – Web Addenda.